Reconexão Interior

Vamos fazer um teste: imagine que pudéssemos personificar nossa mente como se ela fosse uma pessoa externa a nós, como se pudéssemos tirar esta camada de nossa psique, coloca-la do lado de fora e percebe-la como um ser separado. O que encontraríamos? Alguém que fala sozinho sem parar, incoerente, inseguro, que se contradiz o tempo todo, que se culpa pelo passado e teme o futuro; seria alguém que toma decisões com base em medos ou anseios, que interpreta o ponto de vista dos demais e fabrica diálogos intermináveis com as mais loucas histórias...

Como seria nossa convivência com alguém assim? Possivelmente, em poucas horas estaríamos cansados desta indesejável companhia, e querendo nos livrar dela rapidamente! Insano, é o mínimo que diríamos a respeito desta pessoa.

Você confiaria suas decisões a alguém sofrendo de tamanho distúrbio? Deixaria sua vida ser dirigida por alguém assim? Seguiria seus conselhos?

Então a pergunta sensata é: apenas porque este ser tão ruidoso está dentro de sua cabeça, isso o torna automaticamente digno de confiança ilimitada?

Um retorno a nossa própria essência

Façamos outro teste simples: se você consegue ler este texto, significa que “você” e “o texto” são coisas separadas, distintas, que podem ser percebidas pelos nossos sentidos. O mesmo vale para qualquer objeto externo: um livro, uma mesa, um veículo, uma pessoa: são objetos com os quais interagimos.

Agora olhe para dentro de si mesmo: existem emoções, pensamentos, sensações... se você consegue perceber a tudo isso, e consegue observar e interagir com estes “objetos internos”, surge uma nova pergunta: quem é você?

Se posso observar meus pensamentos, quem é esse que observa?

Se percebo minhas emoções, que parte minha tem a capacidade de perceber?

Uma das conclusões mais fascinantes da física quântica é que para todo fenômeno existente, sempre existe um elemento comum: um observador. Este observador é quem você É verdadeiramente, sua Consciência, a Centelha Divina que habita em seu coração.

Reconexão Interior é tanto uma Técnica quanto um Estado de Ser

Como Técnica, é um método de expansão da consciência que permite, entre outras coisas, que a pessoa reconheça por si mesma níveis e frequências mais profundos de seu próprio Ser, permitindo com isso uma revalorização de seus princípios e propósitos no mundo. Este é o método utilizado para atingir regressões de memória e vidas passadas: expandindo a consciência e a percepção.

Como Estado de Ser, ou Estado de Consciência, é viver o resultado desta transformação, algo que ocorre naturalmente quando estes novos níveis são assimilados a tal ponto que a percepção da vida se transforma radicalmente. Neste estado, as ações mais simples, como estar no aqui e no agora, tornam-se algo vibrante, natural e sem esforço.

Quando isso ocorre, deixamos para traz as intermináveis histórias da mente e seus constantes conflitos, e retornamos ao contato com a Fonte. Neste novo modo, o coração ocupa um papel central, nos conferindo a intuição, o amor, a compaixão, a energia e alegria constantes.

Passamos a perceber então que viver é muito simples...

...e que a vida conspirou conosco desde sempre, mas nós nunca tínhamos percebido isso.

Perdemos a capacidade de sofrer, porque isso era só uma consequência do sonho em que estávamos.

Ganhamos profundidade a níveis que jamais imaginávamos que fosse possível.

E tudo se torna natural e fluído porque esta é nossa Verdadeira Natureza.